Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Mulheres...

Quarta-feira, 07.02.07

... quando são chatas, são mesmo chatas !

 

Olá amor!

- Olá!

- Trabalhaste muito?

- Sim.

- Tás cansado?

- Um pouco.

- Toma um banho!

- Vou já... preciso de sair.......

- Ah!... vais sair?

- Vou dar uma volta.

- Sozinho?

- É... sozinho.

- Vais aonde?

- Por aí.

- Sozinho?

- Sim.

- De certeza?

- Sim.

- Queres que eu vá contigo?

- Não... deixa lá... prefiro ir sozinho.

- Vais sozinho andar pela cidade?

- Vou.

- De carro?

- Sim.

- Vais demorar?

- Não... p"raí de uma hora.

- Vais a algum lugar específico?

- Não... só andar por aí.

- Não preferes ir a pé?

- Não... vou de carro.

- Traz um gelado pra mim!

- Trago... que sabor?

- Chocolate.

- Ok... na volta eu passo e compro.

- Na volta?

- Sim... senão derrete.

- Passas lá, compras e deixas aqui.

- Não... é melhor não! Na volta... é rápido!

- Ahhhhh!

- Ok! Beijo... volto logo...

- Ei!

- O que é?

- Chocolate não... Manga...

- Não gosto de Manga!

- Então traz de manga prá mim e o que quiseres prá ti.

- Ok! Vou indo.

- Vem aqui dar-me um beijo de despedida!

- Querida! Eu volto já... depois.

- Depois não... quero agora!

- Tá bem! (Beijo.)

- Vais com o teu ou com o meu carro?

- Com o meu.

- Vai com o meu... tem leitor de CDs... o teu não!

- Não vou ouvir música... vou espairecer...

- Tás a precisar?

- Não sei... vou ver quando sair!

- Não demores!

- É rápido... (Abre a porta de casa.)

- Ei!

- Que foi agora?

- Pronto, malcriado! Vai embora!

- Calma... estou a tentar sair e não consigo!

- Porque queres ir sozinho? Vais encontrar alguém?

- O que queres dizer?

- Nada... !

- Olha lá... achas que te estou a trair?

- Não... claro que não... mas sabes como é...

- Como é o quê?

- Homens!

- Generalizando ou falando de mim?

- Generalizando.

- Então não é meu caso... sabes que eu não faria isso!

- Tá bem... então vai.

- Vou.

- Ei!

- Que foi, porra?

- Leva o telemóvel, estúpido!

- Pra quê? Pra me ligares?

- Não... caso aconteça alguma coisa, tens o telemóvel.

- Não... deixa lá...

- Olha... desculpa pela desconfiança... estou com saudades... só isso!

- Ok meu amor... Desculpa-me se fui chato. Tá.. eu amo-te!

- Eu também!

- Posso mexer no teu telemóvel?

- Prá quê?

- Sei lá! Joguinhos!

- Vais jogar com o meu telemóvel?

- Vou.

- De certeza?

- Tá.. ok... então leva o telemóvel senão eu vou mexer...

- Podes mexer à vontade... não tem lá nada...

- Ai é?

- É.

- Então onde está?

- O quê?

- O que deveria estar no telemóvel mas não está...

- Como!?

- Nada! Esquece!

- Tás nervosa?

- Não... não estou...

- Então vou!

- Ei!

- Que ééééééé?

- Afinal não quero gelado!

- Ah é?

- É!

- Então porra, afinal também não vou sair!

- Ah é?

- É.

- Que bom! Vais ficar aqui comigo?

- Não... tou cansado... vou dormir!

- Preferes dormir a ficar comigo?

- Não... vou dormir, só isso!

- Estás nervoso?

- Claro, porra!!!

- Porque é que não vais dar uma volta para espairecer?

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por Rastr às 22:15

Português e a CIA

Quarta-feira, 07.02.07
A CIA resolveu recrutar um atirador.
Após uma série de selecções, entrevistas e testes, escolheram três
candidatos: um Francês, um Inglês e um Português.
Para a prova final, os agentes da CIA colocaram os candidatos diante de uma porta metálica e entregaram-lhes uma pistola.
- Queremos ter a certeza de que seguem as instruções, quaisquer que sejam as circunstâncias. Dizem então ao Francês:
- Detrás desta porta você vai encontrar a sua mulher sentada numa cadeira. Terá que a matar!
- Estão a falar a sério? Eu jamais mataria a minha mulher!!!
- Então você não serve, responde o agente.
Ao Inglês deram as mesmas instruções.
Pegou na arma e entrou na sala.
Durante 5 minutos, tudo muito calmo. Depois regressou com as lágrimas nos olhos.
- Tentei mas não posso matar a minha mulher.
- Você também não está preparado para trabalhar nesta agência. Pegue na sua mulher e vá-se embora. Chegou enfim a vez do Português! Deram-lhe as mesmas instruções indicando-lhe que teria de matar a sua mulher.
Ouviram-se tiros, um estrondo e depois outro... A seguir ouvem-se gritos, barulhos de móveis partir, etc. Após alguns minutos fica tudo muito calmo... A porta abre-se lentamente e o Português sai, limpa o suor e diz:
- Bem me podiam ter dito que os tiros eram de pólvora seca!! -
- Tive que a matar com a cadeira!

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por Rastr às 22:08







comentários recentes




subscrever feeds