Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]



Acenda uma vela

Sexta-feira, 25.05.07

http://www.lightamillioncandles.com

 

Neste endereço todos nós podemos ajudar a que esta fundação tente acabar com os filmes pornográficos infantis.

É só um pequeno gesto que fazemos. Acender uma vela virtual e desejarmos algo para que estas crianças vitimas de abusos sexuais deixem de sofrer da maneira que muitos de nós nem faz ideia...

 

Aproveito e deixo aqui algumas fotos de crianças desaparecidas, para que não caiam no nosso esquecimento.

O que se está a passar com a pequena "Maddie", não digo que sou contra, muito pelo contrário, mas deveria ter sido dada a mesma atenção com as "nossas" crianças.

Acho muito bem que o que se está a passar com o caso da "Maddie" continue, para que chegue aos quatro cantos do mundo e se possível no meio também. Isto só prova que a nossa Polícia não anda a dormir. Não esqueçamos que temos a melhor polícia do mundo, a Polícia Judiciária.

 

Nome: Madeleine Beth Mccann

Filiação: Gerald Patrick Mccann e Kate Marie Healy

Nacionalidade: Reino Unido

Data de nascimento: 12/05/2003

Passaporte: 453847661 – Reino Unido

                  Data de emissão: 04/08/2003

                  Data de validade: 04/08/2008

Descrição Física:

Sexo: Feminino

Altura: 90 cm

Cabelo: castanho claro/louro, liso, pelos ombros

Olhos: olho esquerdo azul e verde, olho direito verde com mancha castanha na iris.

Sinais particulares: Pequeno sinal na pele, de cor castanha, no gémeo da perna esquerda.

Vestuário:

Na data do desaparecimento, vestia pijama de calças brancas com motivos florais, e parte superior de manga curta, com predominância de cor de rosa e na frente uma figura de um “jumento” de cor azul e cinza, com a inscrição “EEYORE”. 

Informações complementares:

Desapareceu em 03/05/2007, pelas 22H40, do Ocean Club, Praia da Luz, Lagos,  local onde passava férias com os pais. O desaparecimento ocorreu numa altura em que a criança estava sozinha no apartamento.

 

 

 

Nome: Sofia Catarina Andrade de Oliveira

Data de nascimento: 08-02-2002 (Assento n.º 56/2002 da Conservatória de Câmara de Lobos, Madeira)

Naturalidade: Câmara de Lobos – Madeira

Filha de: Luís Oliveira da Encarnação e Maria Irene Fernandes Andrade

Residência do seu pai: Rua Professor Júlio Dutra de Andrade, n.º 37, Conceição, Horta – Faial, Açores

Residência da sua mãe: Escadinhas do Pico, n.º 5 – Câmara de Lobos, Madeira

Data do desaparecimento: 22-02-2004, às 20h45m

Local do desaparecimento: Da residência da sua mãe, Escadinhas do Pico, n.º 5- Câmara de Lobos, Madeira

Local do desaparecimento: Da residência da sua mãe, Escadinhas do Pico, n.º 5- Câmara de Lobos, Madeira

Descrição física:

     Altura: Cerca de 80/90 cm

     Olhos: Castanhos

     Compleição física: Média

Outras informações: O indivíduo acima referido como pai da criança, de nome Luís Oliveira de Encarnação, nasceu a 09/10/1972, é divorciado, pescador de profissão, sendo portador do BI n.º 11196546, emitido em 10/11/2003, pelo Arq. de Id. de Angra de Heroísmo.

A criança foi subtraída à mãe pelo pai, por volta das 20h45m, no centro de Câmara de Lobos. Na fuga com a menor de dois anos, o citado apanhou um táxi e, posteriormente, boleia de um familiar, tendo sido deixado a pé, com a filha, pelas 21h30m, no Caniço de Baixo. Por volta das 23h30m, o pai da criança deslocou-se à Esquadra da PSP de Câmara de Lobos, onde se encontrava a mãe a participar o desaparecimento da menor, altura em que aquele já não trazia a filha consigo. Aquando do seu desaparecimento, a menina vestia uma camisola, com desenhos de flores de cor roxa, e umas calças, de cor cinzenta, com desenhos estampados, calçando meias brancas e vermelhas, sem sapatos.

Qualquer informação deve ser comunicada preferencialmente para o seguinte endereço:

Departamento de Investigação Criminal do Funchal

 

 

 

 

 

 

 

Nome: Cláudia Alexandra Silva e Sousa ("Carricinha")

Data de nascimento: 13/03/1987

Natural de: Oleiros - Vila Verde

Nacionalidade: Portuguesa

Filho de: João Costa e Sousa e Maria de Jesus Alves da Silva

Data do desaparecimento: 13/05/1994

Descrição física: (na data do desaparecimento):

Altura: 1,10 m

Cabelo: Castanho

Peso: 30 kg

Olhos: Castanhos

Sinais particulares: Uma cicatriz com cerca de 10 cm na coxa direita, uma cicatriz no lábio inferior e outra num dedo da mão.

 

 

 

 

Nome: Rui Pedro Teixeira Mendonça

Data de nascimento: 28/01/1987

Natural de: Paredes

Nacionalidade: Portuguesa

Filho de: Manuel José Pinto Mendonça e Filomena Maria da Silva Moreira Teixeira

Data do desaparecimento: 04/03/1998

Descrição física (na data do desaparecimento):

Altura: 1,50 m

Cabelo: Castanho

Peso: 45 kg

Olhos: Castanhos

Dentes: Frontais grandes

Sinais particulares: Orelhas salientes e abertas

 

 

 

 

Nome: Rui Manuel Correia Pereira

Data de nascimento: 25/09/1985

Natural de: Vila Nova de Famalicão

Nacionalidade: Portuguesa

Filho de: Joaquim Pereira Martins e Laurinda Correia Meira

Data do desaparecimento: 02/03/1999

Descrição física: (na data do desaparecimento):

Altura: 1,55 m

Cabelo: Preto

Peso: 50 kg

Olhos: Castanho escuro

Dentes: Normais

Sinais particulares: Uma pequena cicatriz junto do olho esquerdo, outra entre o lábio superior e a narina direita e um grande sinal de nascença nas costas.

 

 

 

Nome: João José Gomes Teles

Data de nascimento: 01/03/1982

Natural de: Câmara de Lobos

FILIAÇÃO: João Avelino Teles e Maria da Conceição Gomes Teles

Profissão: Estudante no 9.º ano na Escola do Estreito de Câmara de Lobos

Data do desaparecimento: Dia 06/10/1998, pelas 08H00

Local do desaparecimento: Largo do Machiqueiro - Câmara de Lobos

Descrição física:

Altura: 1,60 m

Cabelo: Castanho

Olhos: Castanhos

 

Outras informações: Na altura do desaparecimento vestia umas calças de ganga azul e camisa aos quadrados de cor verde e amarela e riscas pretas. Calçava sapatos de borracha de cor preta e meias brancas.

 

 

 

 

 

 

Nome: Jorge Manuel Duarte Lopes Sepúlveda

Data de nascimento: 21/02/1977

Natural de: Massarelos - Porto

Filiação:  Pedro Augusto Lopes de Sepúlveda e Maria Manuela Franco Duarte Lopes Sepúlveda

Data do desaparecimento: 15/08/1991

Descrição física (na data do desaparecimento):

Altura: 1,59 m

Cabelo: Castanho escuro

Olhos: Castanho escuro

Sinais particulares: Um sinal castanho junto ao umbigo

 

 

 

 

 

 

Nome: Ana Patrícia da Conceição Santos

Data de nascimento: 25/03/1990

Filiação: Sílvio Manuel Lencastre dos Santos e Anabela Heleno da Conceição Santos

Bilhete de Identidade: Nº 13981619

Residência: Sarilhos Grandes, Montijo

 

 

 

Qualquer informação deve ser comunicada para o seguinte endereço:

Directoria de Lisboa

Rua Gomes Freire,174 - 1069-007 Lisboa
Telefone: 218 641 000
Fax: 213 157 260
Piquete: 213 574 566
E-mail: biad.sipc@pj.pt
ou
para qualquer serviço de piquete da Polícia Judiciária

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por Rastr às 22:53


4 comentários

De llaaeell a 07.04.2010 às 12:06

Gonçalo Amaral afirma que ente as 21 e 22 horas do dia 3 de Maio de 2007 , a Maddie ao ouvir o pai falar na rua , se levanta da cama (então não estava drogada com Calpol ?...) e caindo do sofá junto à janela bate com a cabeça e tambem por estar drogada com Calpol , e morre !!! Os conhecimentos clinicos deste "charlatão" são brilhantes . E remata que os pais logo ocultaram o cadáver . Tudo isto é surrealista ...
Gonçalo Amaral não nos diz quanto tempo leva um corpo que falece , a produzir odor a cadáver i.e. a produzir "cadaverina" e "pustrevina" ? O apartamento 5A do Ocean Club foi logo invadido pelos residentes do Ocean Club e pelos GNR's , que logo o contaminaram ...O corpo desaparece sem ter tempo para produzir odor a cadáver.
Os McCanns não são ilusionistas . Como pode o corpo desaparecer em menos de uma hora e deixar odor a cadáver ? Odor a cadáver no apartamento ,no jardim , no Renault e ainda noutros locais , cadáver que ninguem viu !
Gonçalo Amaral mente descaradamente quando afirma que havia sangue de Madeleine no apartamento 5A do Ocean Club . E se houvesse o que é que isso provaria ? Investigador de quiosque ...que pretende incriminar Kate pelo simples facto de ter ido chamar Gerry em vez de gritar que Maddie tinha desaparecido !...
Gonçalo Amaral entende (como lhe convem...) que há contradição quando A diz que viu em determinada direcção um homem com uma criança ao colo , e B quando esta diz que o viu noutra direcção , como se o raptor não pudesse mudar de direcção . E remata ainda invocando 3 contradições (para rir...) para fundamentar as suas loucas teses , , que os
McCanns utlizavam percursos diferentes daqueles utilizados pelos seus amigos , entre o Restaurante Tapas e o Ocean Club ; que a Jane Tanner(amiga dos McCanns) passou pelo Gerry McCann que parado falava com um amigo , sem se verem entre si ,
e que por isso a Jane Tanner(B) não tinha visibilidade para ver o raptor , sem que Gonçalo Amaral lhe tenha feito algum exame oftalmologico ou verificar que estava lua cheia ; e ainda , a infantil questão da janela aberta ou fechada ou impossibilidade de lá passar sem deixar vestigios , como se não houvesse "infinitas" hipoteses de entrada/saida do apartamento sem utilizar a janela nem adulterar as portas . E não se pode pedir a Kate (em estado de choque...) que seja precisa se a janela estava aberta ou fechada .Com estes investigadores não vamos a lado nenhum... (Não há-de Portugal estar como está !) com gente desta .

Comentar post







comentários recentes