Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



IMAGINAÇÃO...

Quarta-feira, 01.08.07
Conta uma antiga lenda que, na Idade Média, um homem muito virtuoso foi injustamente acusado de ter assassinado uma mulher. Na realidade, o verdadeiro autor era uma pessoa muito influente no reino e, por isso, desde o 1º momento se procurou um "bode expiatório", para encobrir o culpado. O homem foi levado a julgamento já sabendo que tinha escassas ou nulas oportunidades de escapar ao terrível veredicto: a forca! O juiz, também metido no trama, cuidou não obstante de dar todo o aspecto de um julgamento justo e, por isso, disse ao acusado:

- conhecendo a tua fama de homem justo e devoto ao Senhor, vamos deixar nas mãos d"Ele o teu destino: vamos escrever em dois papéis separados as palavras "culpado" e "inocente". Tu escolherás e será a mão de Deus a que decida o teu destino.

Claro, o mau funcionário havia preparado dois papeis com a mesma palavra "Culpado". E a pobre vitima, ainda sem conhecer os detalhes, dava conta de que o sistema proposto seria uma armadilha. Não havia escapatória. O juiz ordenou o homem a pegar num dos papéis dobrados. Este respirou profundamente, ficou em silencio uns quantos segundos com os olhos fechados e, quando a sala começava já a impacientar-se, abriu os olhos e, com um estranho sorriso, pegou num dos papeis e, levando-o à boca, engoliu-o rapidamente.

Surpreendidos e indignados os presentes condenaram o acto veemente:
- Mas? Que fez?!? E agora??? Como vamos saber o veredicto?!?.

- É muito simples, - respondeu o homem -é uma questão de ler o papel que resta, saberemos o que dizia o que engoli. Com nítido incómodo e enjoo mal dissimulados, lá tiveram que libertar o acusado, e jamais voltaram a molestá-lo.

Moral da história: por mais difícil que se nos apresente uma situação, nunca deixes de buscar a saída nem lutar até ao último momento. Sê criativo! Quando tudo pareça perdido, usa a imaginação!

"Nos momentos de crise, só a imaginação é mais importante que o conhecimento"
(Albert Einstein)

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por Rastr às 15:43

O Som

Quarta-feira, 01.08.07
O carro do Tó pifou enquanto ele passava por um lindo mosteiro.
O Tó bateu à porta do mosteiro.
Um monge atendeu-lho Tó contou o que se tinha passado com o carro, e o monge
convida-o para passar a noite.
Os monges ofereceram-lhe um óptimo jantar e depois encaminharam-no para um
pequeno quarto, onde ele iria dormir.
O Tó agradeceu, e dormiu serenamente até ser acordado por um estranho mas
bonito som.
Na manhã seguinte, enquanto os monges lhe reparavam o carro, o Tó perguntou
que som era aquele que o tinha acordado.
Lamentamos",disse o monge."Não lhe podemos dizer o porquê do som. Você não é
um monge."
O Tó ficou desapontado, agradeceu aos monges, e foi embora bastante curioso.
Alguns anos mais tarde, o tó passava novamente em frente ao mosteiro.
Parou,e foi pedir aos monges se podia passar ali a noite,j á que tinha sido
tão bem tratado da última vez que l á estivera.
Os monges concordaram, e ele l á ficou.
De madrugada, ele ouve de novo o tal som estranho e lindo.
Na manhã seguinte, pediu aos monges para lhe explicarem o som. Mas os monges
deram-lhe a mesma resposta.
" Lamentamos. Não lhe podemos falar acerca do som. Você não é um monge".
Então a curiosidade transformou-se em obsessão. Ele decidiu desistir de tudo
e tornar-se monge, porque era a única maneira de desvendar aquele mistério.
Então ele informa os monges da sua decisão e começou a longa e difícil
tarefa de se tornar monge.
17 anos depois Tó era finalmente um verdadeiro membro da ordem.
Quando a celebração acabou, ele rapidamente dirigiu-se ao líder da ordem, e
perguntou pelo som.
Silenciosamente, o velho monge conduz o Tó a uma enorme porta de
madeira.Abriu a porta com uma chave de ouro.
Essa porta conduzi-o a uma 2ª porta, esta de prata, depois uma 3ª de ouro, e
assim por mais doze portas,cada uma mais magnífica que a outra.
A cara do Tó encheu-se de l á grimas de alegria assim que viu a origem de tal
lindo e misterioso som que ele ouvira tantas vezes.............
.
.
.
.
.

























Mas não posso dizer o que era. Não és um monge!

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por Rastr às 15:27







comentários recentes